Artigo de opinião / 04.10.18

O Poder dos Influenciadores digitais (João Morais)

Partilhar:

Os desafios de um influencer.

Nos dias de hoje já é comum ouvir o termo “influencer”. Mas afinal o que são eles e o que fazem?

O influenciador digital, como o próprio nome indica, é uma pessoa popular nas redes sociais, no fundo é uma “celebridade da internet”, que tem a capacidade de persuadir uma legião de seguidores que assistem aos conteúdos gerados pelos mesmos, identificando-se com os mesmos.

A utilização dos influenciadores digitais é cada vez mais prática comum nas empresas de diferentes setores de mercado. Os “influencers” são atualmente mais uma ferramenta de marketing para as empresas, pois através dos “youtubers”, “instagramers”, “streamers” e “bloguers” as marcas conseguem promover os seus produtos para um determinado público-alvo.

Tendo isto em conta quais são os grandes desafios na escolha de um influencer?

  • Questão dos falsos influenciadores- o simples facto de existirem websites próprios para a compra de seguidores falsos, os chamados “bots”, é uma preocupação ao qual as marcas devem estarem atentas. A solução passa por analisar muito bem a evolução do perfil do influencer, tanto os números, como o conteúdo gerado. É importante analisar o histórico dos mesmos para se detetar qualquer tipo de anormalidade.
  • O número de seguidores como métrica- como já foi referido anteriormente existe o risco de seguidores falsos, e não só. Uma empresa que olhe só a números poderá estar a cometer um erro muito grande e gastar dinheiro numa campanha destinada ao fracasso. Isto ocorre quando não há uma análise dos seguidores de um ponto de vista demográfico, por exemplo: um influencer em Portugal pode ter um número grande de seguidores, mas se estes forem maioritariamente estrangeiros e se à marca interessa o mercado português, de pouco serve utilizar esse influencer, pois não se irá atingir o target market.

A minha opinião como se deve escolher um influencer está na relação que estes têm com os seus seguidores e a imagem que passam nos seus conteúdos, por exemplo: Um influenciador de 1 milhão de seguidores, comparado com um de 50 mil seguidores, tem logicamente mais alcance, mas se a interação do mesmo com os seus seguidores for pouca ou nenhuma, a perceção do seguidor é a de que ele não é honesto, por outro lado, se o influencer pequeno tiver um contacto próximo com os seus seguidores, a imagem passada é a de uma pessoa genuína. As empresas não se podem focar exclusivamente em números, o conteúdo gerado e a imagem do influencer são aspetos a ter em conta se querem que a promoção tenha sucesso.

O panorama português é de que esta ferramenta apenas recentemente foi introduzida no mercado nacional, e as marcas que a utilizam pouco conhecimento têm da forma de servirem-se desta ferramenta, recorrendo maioritariamente das vezes a agências digitais, o problema disto é que a lista de influencers é curta e de grande concorrência, pois são bombados com propostas de várias marcas, todos os dias. Daí ser importante para às empresas abrir o livro e arriscar parcerias com influencers menos conhecidos, mas fiáveis, e criar uma relação de sucesso duradoura.

As opiniões dos influenciadores alteram a forma de pensar de muitas pessoas, eles são o futuro como vemos uma marca, neste sentido deve ser encarado o papel de destaque que estes têm num plano de comunicação.

Tags: digital,consultoria,artigo,influenciadores,influenciadores digitais,bloguers,Streamers,instagramers,youtubers